Crise: Os Bons Reagem a Mudança, os Excelentes, Criam!

crise-crie

Apesar de toda positividade, não há como negar que a crise nos afeta. Mesmo que ela não arrombe nossa porta, só de vê-la passar pela janela, já nos causa desconforto. Isso é aceitável, mas a forma como você reage a esse sentimento é o que realmente vale.

A crise está aí para nos provar que a segurança e estabilidade simplesmente não existem. Aquelas “crenças sagradas” das últimas décadas: a semana de trabalho de quarenta horas, as férias anuais, a garantida de emprego, a aposentadoria com 65 anos de idade e até o concurso público…. Nada disso faz mais sentido.

O que preciso dizer imediatamente a você que está desconfortável com a crise é: não procure um porto seguro para esperar o fim da tormenta, porque o vento da mudança é implacável. Na verdade, eles tendem a ficar mais fortes e intensos, batendo a porta dos grandes e dos pequenos… A previsão do tempo é a mesma.

Em tempos de crise: por que a mudança é tão complicada?

Estudos comprovam que o ser humano só reage diante de uma mudança quando enxerga a necessidade. São raros os casos de transformação sem que exista um fator desencadeador. Em outras palavras,  a saída da famosa zona de conforto, que nada mais é do que a nossa acomodação diante de uma situação ou até mesmo perante nossas crenças, só acontece quando não temos para onde correr..

Robert Kriegel e David Brandit, no livro “Vacas Sagradas dão os Melhores Hambúrgueres”, apresentam a seguinte reflexão: “Os processos são fáceis, as pessoas que são difíceis”. A experiência prova que as pessoas têm uma resistência natural a mudança.

Para elas, a mudança é desconfortável, imprevisível e muitas vezes aparenta ser insegura. (Mas segurança, lembram, é algo que não existe nem na zona de conforto). Mudar é um verbo repleto de incerteza e sempre parece mais difícil do que é.

A mudança nos coloca de frente para o desconhecido e isso tende a nos fazer despertar os piores medos como: ser demitido, criticado, humilhado, desentendido, etc. Então, acabamos “não arredando o pé” de onde estamos.

Como a maioria reage a transformação

É assim, se travando com resistência ativa, passiva, consciente, inconsciente, através da autossabotagem, do subterfúgio e de diversas outras maneiras. Podem resistir de maneira racional, emocional e às vezes espiritual.

No livro que citei, e que forneceu grandes insights para este artigo, os autores comentam de uma pesquisa que envolveu 1.200 administradores de alto escalão da IBM, feita após a empresa já ter caído em desgraça, mostrou que 40% ainda não aceitavam a necessidade da mudança.

Interessante é pensar que a mudança começa a partir do fim de um período, de uma era, de um processo, de algo que tínhamos como “certo”. E mesmo nos casos em que a mudança surja para melhorar nosso status, ou seja, quando estamos nos livrando de um problema ou migrando para algo que significa melhoria, ainda sim podemos resistir.

Como os bons reagem a mudança

A capacidade de reagir positivamente as tais mudanças, pode nos fazer bem. Indivíduos que não se acovardam diante da mutação são mais bem sucedidos. Quando alguém é motivado dessa forma, está transferindo a resistências para a prontidão. Ou seja, se mantém preparados para o que vier.

Conquanto isso não seja tão fácil de conseguir, é melhor do que não se mover. Esse modelo de agir bem diante do que está mudando, nem sempre é conseguido facilmente, num passe de mágica. Não uma é uma entrega do Sedex, mas um processo demorado. Porém, de qualquer forma, precisa ser desenvolvido.

A prontidão para a mudança é uma atitude que envolve:

  • Ser receptivo a novas ideias;
  • Ser estimulado em vez de ansioso em relação a mudança;
  • Se sentir desafiado e não ameaçado pelas transições;
  • Estar comprometido com a mudança como um processo contínuo.

Os excelentes criam a mudança

Entre os que permanecem travados e os que dançam conforma a música, estão os que criam a mudança (e também criam na crise). Trazendo para o nosso contexto, com a crise em evidência, profissionais e empresas excelentes é quem determinam como a mudança será.

Parece utópico, fantasioso, quando você entende que transições como essas tem o poder sobre nossas próprias vidas. Mas a verdade é que fatores externos jamais poderão liderar o que está dentro, a não ser que seja permitido. Portanto, criar a mudança é dizer como as coisas serão feitas.

Promover a mudança é empreender ações para:

  • Antecipar e iniciar a mudança;
  • Desafiar o status quo;
  • Criar em vez de reagir à mudança;;
  • Liderar em vez de seguir a boiada;
  • Formar a opinião em vez de seguir o pensamento de outros (cliente, concorrência e indústria).

O segredo é não dar desculpas e evitar se fazer de vítima. Ainda que as coisas estejam escuras, complicadas, em crise, é possível aproveitar esse momento para amadurecer rápido, e como gostamos de falar aqui: acelerar! E para fechar, vale a pena lembrar: quem não possui problemas também não tem sucesso!

“A mudança é a lei da vida. E aqueles que apenas olham para o passado ou para o presente irão com certeza perder o futuro”. – John Kennedy

Tire o “S” da Crise e terá: “Crie!”

Para completar a reflexão, confira o vídeo do Pedro Quintanilha!

Quer receber mais conteúdos exclusivos como esse em seu e-mail? Cadastre- se aqui!