Empreender é Para Todos? Encontre a Resposta!

empreender-e

Empreender é mesmo para todos? Seria isso coisa para quem tem dom? Para quem já vem de família abastada? Par quem tem pais empresários?

Já percebeu que onda do empreendedorismo só aumenta? O que antes era apenas uma “marola”, hoje toma proporções exorbitantes, conquanto ainda seja um movimento relativamente tímido a nível global.

Em pleno século XXI, pessoas do mundo todo ainda estão em busca de liberdade, satisfação profissional e mais lucro. Parecem estar acordando de um sono profundo, enxergando vida fora pela janela, avistando outro caminho além do que a maioria conhece.

Quem acredita em sina, em pré-determinismo, em “destino pronto”, tende a afirmar: “o que é sempre será”. Mas quem aspira crescer, tem fé e crê que pode mudar, se movimenta a partir da pergunta: “por que não pode ser de outro jeito?”

Então…

Empreender é para todos que creem?

A partir dessa diferença, já temos inicialmente, uma divisão: se um cara não crê que pode empreender, provavelmente não vai sair do lugar. Mas se outro, insatisfeito, pergunta a si mesmo “por que não”, tende a se esforçar para fazer acontecer.

Dessa “dúvida” pode sair um empreendedor.

Repare que não disse vai sair um empreendedor. O PODE condiciona. Em outras palavras, empreender é mesmo incerto. Porque se valer de força de vontade apenas, e de perseverança, não é suficiente. É preciso mais. Para fazer acontecer é preciso se basear em diversos fatores, emocionais e racionais.

Se você crê piamente que pode, mas não tem o mínimo de habilidade, são maiores as probabilidades das coisas darem errado. O fracasso também se faz presente se o indivíduo tem um bom tino para negócios, mas tem a crença limitada e a visão de realidade negativa.

Um caçador não consegue sua comida apenas com a força do pensamento. A primeira coisa que ele faz é acreditar que vai encontrar um servo na floresta. Mas se não se munir com as armas certas e não ter as habilidades necessárias para acertar o animal, mesmo crendo, será um fracassado.

Um lenhador não despedaça um tronco apenas com fé. Ele precisa acreditar que é forte, ou ao menos se esforçar para aumentar sua força, mas precisa também de um plano mínimo para escolher a árvore, cortar e fazer a lenha. Se ele não reunir as táticas e ferramentas certas, só colherá gravetos. Assim se compara a vida de um empreendedor.

Quem acredita que o sucesso não é para todos ou é elitista ou vitimista.

Empreender é impossível? Não, mas também não é fácil…

Tirar um negócio do zero não é impossível, mas também não é fácil. A escolha é o primeiro fator determinante, o que você faz depois disso também é tanto quanto. Sendo ainda mais explícito, você não será um empreendedor se não escolher ser, e se não tiver as habilidades certas.

Não será se acreditar que não pode. Se limitar-se ao que sabe, se não crer que pode transformar o ambiente em que vive. Se todo mundo pode ser funcionário de alguém, todo mundo também pode não ser funcionário de alguém.

O conceito de livre mercado (pelo menos na teoria) prega que as pessoas tenham todas os mesmos deveres, direitos e oportunidades. Os elitistas acreditam que só os homens com educação e cultura, os de boa família podem ser os “donos do ouro”.

Mas o empreendedorismo que acreditamos prova que não é preciso “vir da realeza”. Afinal, vivemos na era da informação, e que a tem, pode fazer qualquer coisa que desejar…

Exemplos de empreendedores que contrariaram o sistema

Flávio Augusto da Silva, o menino da periferia, hoje um dos líderes mais influentes do mundo; Geraldo Rufino, o ex catador que hoje tem uma empresa que fatura 50 milhões ao ano; Edu Lyra, o garoto pobre da favela que empreende no social e forma outros empreendedores.

Que tal pensar também nos comerciantes e pequenos empresários que “dominam” o mercado em sua região? O dono da padaria e o dono do Shopping Center de sua cidade são empreendedores. O construtor, o alfaiate, o sapateiro, o artesão, também podem ser empreendedores.

Pessoas que não deram ao vitimismo, nem acreditaram no que muita gente quer que você acredite. Quem crê que o sucesso não é para todos, ou é elitista ou vitimista. Se você segue por algum desses caminhos, dirá não ao “todo mundo pode empreender”.

Robert D. Hisrich, no livro “Empreendedorismo”, diz o seguinte: “empreender é o processo de criar algo diferente e com valor.” Para isso, a pessoa dedicar tempo e o esforço necessários, assumindo os riscos financeiros, psicológicos e sociais correspondentes, recebendo, porém, as recompensas consequentes, como satisfação econômica e pessoal.

A Felicidade não pode ser terceirizada

Nossa felicidade não pode ser concedida e administrada por terceiros. Ela deve ser conquistada por nós por meio de ações próprias. Pessoas que são donas do próprio negócio se consideram muito mais felizes do que outras em diferentes posições no mercado de trabalho.

Essas pessoas não estão trabalhando menos. Muito pelo contrário, pequenos empreendedores tendem a trabalhar muito mais horas do que os assalariados, concursados, etc. Muitas delas também não estão ganhando rios de dinheiro.

Na média, empreendedores, ganham menos do que funcionários o alto escalão. O segredo é que seu empreendimento as permite alcançar seu próprio sucesso, como sempre sonharam.

É esse sucesso alcançado pelo esforço próprio, e não concedido pela caridade de terceiros, o que torna essas pessoas mais felizes. E isso realmente só é possível por meio da livre iniciativa.

O que você pensa a respeito disso? Empreender é para todos? Interaja com um comentário e complete este post!

  • Nathalia Pereira

    Excelente esse blog, eu comecei esse ano a trabalhar na e achei as informações deste blog super úteis ao meu trabalho.

    • Paulo

      Opa, Nathalia! Quem bom que está gostando. Ficamos muito felizes! Compartilhe com os amigos. 😉