O que te impede de ter um negócio de recorrência? | Shots de orlando

Se está inseguro quanto a ter um negócio de recorrência, pode ficar tranquilo que você não está sozinho. Digo isso, pois diariamente, recebo uma infinidade de mensagens perguntando o quanto o modelo é eficiente.

A insegurança aumenta principalmente quando encontramos a nossa volta, pessoas que fracassaram na estratégia. Por esse motivo, automaticamente instalamos a crença limitante que não teremos capacidade de avançar também.

Em um dos eventos que frequentei, pude retirar um insight valioso do palestrante Anthony Robbins com a seguinte frase:

O seu passado não define o seu futuro.

O que eu pude entender é: como em qualquer negócio, é natural que nós empreendedores encontremos dificuldades no início de uma jornada.

Por esse motivo, no lugar de nos prender a falhas cometidas no passado, devemos pensar em quais lições aprendemos com o ocorrido.

Levando a prática para o negócio de recorrência, como disse no vídeo, ao se deparar com uma situação complicada, no lugar de julgar o modelo de negócio, devemos nos perguntar: quais ferramentas ou conhecimentos faltaram para desenvolver um modelo bem sucedido?

Ao procurar pelas soluções, automaticamente repelimos o pensamento contagioso de “ser algo difícil” e podemos até mesmo lidar com maior facilidade as objeções mais comuns da recorrência:

Vou precisar desenvolver muito conteúdo.

Para manter um modelo sobre negócio de recorrência eficiente, você deve justamente fazer o contrário. Seguir a prática do “menos é mais”. Parece contraditório? Explico:

Diferente de um Netflix ou Spotify que tem como objetivo o entretenimento, ao desenvolver um produto, educativo por exemplo, devemos optar pela qualidade à quantidade.

Afinal, o que vale mais: acompanhar o passo a passo, entender as maiores dificuldades e ver a evolução de seu aluno ou empurrar mais e mais conteúdo para ele estudar?

Quando for desenvolver um negócio, procure criar algo único e que se destaque dos outros, que pensam apenas em vender. Ao bolar uma estratégia para ajudar o seu cliente/aluno alcançar resultados, automaticamente você será recompensado por isso.

Vou precisar vender barato.

Quando nos vêm à cabeça o modelo recorrente, logo temos o Netflix como referência. O problema, além de nos basear pelo vasto conteúdo, como dissemos anteriormente, acreditar que o ticket do seu produto deve ser tão baixo quanto o serviço de streaming pode ser um erro fatal para as suas vendas.

Para quebrar a objeção, posso falar com propriedade que temos, em nosso modelo de negócio, um modelo específico de recorrência onde cobro R$ 4 mil por mês.

Dito isso, não se prenda a valores baixos apenas, entenda qual a proposta de negócio e saiba o quanto a sua persona está disposta para pagar por ele.

Mas muita gente falhou na venda recorrente.

Como dissemos, nos basear nas falhas de pessoas erradas, ou seja, que não se preocupam em se desenvolver ou descobrir onde erraram, é prejudicial para o seu negócio.

Há dois motivos para levar um empreendedor a falhar em um negócio recorrente: primeiro, é quando eles não têm uma direção formada para onde seguir. O segundo é quando a pessoa não sabe lidar com as dificuldades.

Dito isso, o que recomendo é buscar conhecimento. Mas fuja das pessoas que apenas tentaram, mas não procuraram resolver a questão.

Procure profissionais que tenham resultados legítimos e que ajudem você a desenvolver habilidades certas para o modelo de recorrência. Só assim você terá maior lucratividade e menos estresse em seu negócio.

Espero que as dicas ensinadas neste conteúdo sejam de grande valor e que ajude você a direcionar para o caminho correto nas vendas recorrentes. Para saber mais conteúdo sobre o tema, assine o nosso canal no YouTube!