O Marketing Digital está saturado? 

PUBLICIDADE

 

O Marketing Digital está saturado? 

 

O mercado digital traz muitas oportunidades. O que é interessante pensar é que quando a gente não conhece alguma coisa, a gente tem uma visão limitada. Parece que tudo é muito grande e tudo mais.

Depois que você entra, depois que você passa a ser rodeado por essa coisa, parece que “todo mundo é isso”. 

PUBLICIDADE

 

Tipo quando a mulher está grávida e parece que, de repente, todo mundo está grávida também. Ou quando você quer comprar um carro e parece que todo mundo tem esse mesmo carro. 

 

O principal fator que faz a gente começar a considerar se está saturado ou não, o nascimento dessa pergunta vem, normalmente, por quem entrou no mercado de alguma forma (Não necessariamente já vende, mas está no meio) e aí começa esse viés. 

 

E, principalmente, no nicho que a pessoa se identifica. 

 

Por exemplo: Coach. Aí parece que todo mundo virou coach. Ou Youtuber. De repente todo mundo tem canal no youtube. Mercado de afiliado a mesma coisa. Quando a pessoa quer entrar, parece que todo mundo faz isso. E assim por diante. Não tem fim. 

 

À medida que você vai mergulhando em algum tópico, essa sensação de saturação aumenta. 

 

O problema é quando isso se torna uma desculpa para o fracasso e a desculpa dos fracassados. Porque é fácil o cara que fracassou justificar com “Ah, o meu mercado que está saturado”. 

 

Dados sobre o mercado:

 

70% da população brasileira usa a internet. Isso dá, aproximadamente, 126 milhões de pessoas usam a internet. 

 

Desses 126 milhões, apenas 43,7 milhões compram pela internet. Algo no mercado livre, aquele curso que você não fez ou até o e-book que não leu está dentro desse número. 

 

Isso quer dizer que quase um terço, 34%, de quem usa a internet, compra na internet. 

 

Se você ainda não está no digital, está perdendo tempo. Porque tem 2 mercados pra crescer: Quem não usa passar a usar e quem não compra passar a comprar. 

 

Então esquece esse lance de saturação. 

 

O mercado a ser explorado é de 66% de pessoas. Isso quer dizer 82 milhões e 300 mil pessoas ainda irão comprar. Ou seja, você tem 82 milhões e 300 mil chances de vender para quem ainda nunca comprou nada na internet. Porque quem já compra, continua comprando. 

 

Preste atenção: 

 

Caro leitor, quanto desse dinheiro que as pessoas depositam na internet está entrando no seu bolso? 

 

Você é um gastador de dinheiro na internet ou você está ganhando dinheiro na internet? 

 

Na pandemia existem mercados que cresceram mais de 100% em vendas online. 

 

Um estudo feito pela Associação de Comércios Eletrônicos e pelo movimento Compre e Confie, mostra que algumas categorias dobraram seu crescimento no Brasil. 

 

Como: saúde em 111%, beleza e perfumaria em 83%, supermercado em 80%. 

 

Isso quer dizer que tem muito mercado ainda pra aproveitar. 

 

Você acha que não tem mercado pra sua ideia de negócio? 

 

Por um acaso você já falou que seu negócio é diferente e pensou “será que dá?”. 

 

Eu fui em um evento de internet marketing no Canadá, só de programas de assinaturas. 

 

No palco estava sendo entrevistada uma senhora que tinha uma comunidade online no Facebook (então as pessoas pagavam pra fazer parte desse grupo do Facebook), onde as mulheres recebiam vídeos sobre o tema: Pintar e decorar maçaneta de porta. 

 

Isso é um subnicho de artesanato, e essa mulher tinha seus 300 assinantes e fez um evento ao vivo pra 100 mulheres. 

 

Um outro exemplo é de um rapaz da Inglaterra que tem uma assinatura de autódromos ao redor do mundo. Uma plataforma de membros onde os assinantes encontravam autódromos pra correr do moto. 

 

O que isso quer dizer? Que tem mercado pra tudo. Até pra pintoras de maçaneta de porta.

 

A pandemia mudou o mercado 

 

Muitas pessoas tinham medo de comprar online, não confiava etc. Com a pandemia a única opção foi comprar pela internet. Então, comparando com o crescimento natural que vinha caminhando, depois da pandemia esse crescimento foi acelerado em dezenas vezes. 

 

A média, em países mais desenvolvidos, é de 80 a 90% da população com acesso a internet. Os menos desenvolvido, fica em torno dos 50%. O Brasil está bem no meio. 

 

O momento ideal pra começar a vender online já passou. Porque você gostaria de ter começado há 5 anos atrás. Mas, o segundo momento é agora. 

 

Não é fácil, não é mole, você vai encontrar diversos desafios, assim como qualquer outro tipo de negócio. 

 

O mercado digital é muito justo. 

 

Se você quer montar uma loja de roupa, você não precisa conseguir um ponto no shopping e competir com uma grande loja como Renner e Riachuelo. Você tem a capacidade de atingir o país todo (e o mundo) só com um site. 

 

Tem um livro do Chris Anderson, chamado Cauda Longa. E ele diz que todo mercado de nicho tem potencial de se tornar um mercado de massa. 

 

Por exemplo, um tópico bem específico. Se eu pergunto pra um grupo de 100 pessoas, pode ser que 3 gostem de música celta tocada com acordeom. 

 

Quando a gente vai pro ambiente online, onde não existem barreiras, essas 3 em um grupo de 100 vira outras 3 em outro grupo de 100, mais 3 em mais um grupo de 100 e assim por diante. 

 

Não existe limite, só o tópico que reúne as pessoas. Aí essas 3 pessoas viram mil, 10 mil, 100 mil, um milhão ou mais. 

 

Então esse livro fundamenta bem essa questão da cauda longa. 

 

10 formas de fazer 1 milhão de reais

 

Vender 1 produto de 200 reais pra 5 mil pessoas

Vender 1 produto de 500 reais pra 2 mil pessoas

Vender 1 produto de 1.000 reais pra mil pessoas

Vender 1 produto de 2.000 reais pra 500 pessoas

Vender 1 produto de 4.000 reais pra 250 pessoas

 

Você não precisa de um milhão de pessoas. São 43 milhões de pessoas que já compram pela internet. 

 

Em uma recorrência, um produto de assinatura, isso fica ainda mais legal

 

5 mil pessoas te pagando 17 reais por mês

2 mil pessoas te pagando 42 reais por mês

1 mil pessoas te pagando 84 reais por mês

500 pessoas te pagando 167 reais por mês

250 pessoas te pagando 333 reais por mês

 

No meio de 43 milhões de pessoas que já compram pela internet, é difícil conseguir 250 pessoas que te pagam 333 reais por mês? ou 5 mil pagando 17 reais por mês? 

 

3 formas de você começar a vender online

 

1) Vendendo seu conhecimento ou o conhecimento de outra pessoa

 

Vender conhecimento não acaba. Quando mais você ensina, mais você tem que aprender e isso é infinito. 

 

A Associação Brasileira de Educação à Distância diz que:

 

Há cerca de 561 mil alunos em cursos à distância regulares;

Há cerca de 217 mil alunos em cursos semipresenciais;

Há mais de um milhão de alunos em cursos livres corporativos. 

 

Eu não gosto de dizer que vendo educação. Eu vendo transformação. 

 

O meu cliente não vem, simplesmente, para se educar. Ele se educa porque faz parte do processo de transformação dele. 

 

Na prática, às vezes, a gente olha pro mercado de educação à distância e vemos uma valorização do “O cara tem que assistir todas as aulas do curso e isso é uma métrica de sucesso. Ele vai finalizar as aulas e receber um certificado que comprova que ele concluiu o curso e recebeu aquela quantidade de informação.” 

 

Na proposta que temos na empresa, na Mentalidade Empreendedora, a dinâmica é diferente. Eu não fico triste se meu cliente não assistir todas as minhas aulas. Eu fico triste se ele não alcançar o resultado que está buscando. 

 

Uma vez, dentro da minha comunidade, o Business Hacker, um membro colocou lá que tinha zerado todas as aulas. Mais de 200 aulas e ele tinha assistido tudo. O que é algo desafiador. 

 

E eu disse “Tá. Você quer o que? Meus aplausos? Cadê os seus resultados?” 

 

Foi aí que ele mostrou que tinha, de fato, os resultados que vêm da aplicação do conteúdo que ele consumiu. Isso é a prova. O resultado é o melhor certificado que existe. 

 

Então, o conhecimento que você tem pra vender tem muito valor. E muito mais valor quando ele propõe uma transformação pro seu cliente. 

 

Se você quer aprender a investir, você quer aprender com um economista quem tem um diploma mas está endividado ou com um cara que te mostra como ele investe, a carteira de investimentos dele e a rentabilidade? 

 

Na minha opinião, dentro do EAD, esse é o espaço que mais cresce. Porque cada vez mais as pessoas estão cansadas de teorias vazias e carentes de pessoas que tem vida no que fala, que realmente fazem o que acreditam. 

 

2) Vender produtos físicos 

 

Apesar do meu negócio não ser voltado pra negócio físico, é possível. 

 

Você não precisa de uma estrutura grande nem nada. Pode simplesmente começar com um instagram. 

 

Até tem uma modalidade que chama Dropshipping que você não lida com estoque nem nada disso, mas eu não recomendo porque carece de questões legais. 

 

Mas é uma possibilidade também. 

 

3) Afiliado

 

Talvez você se sinta com algum tipo de bloqueio pra vender o próprio conhecimento ou o de alguém e não quer produto físico. 

 

Recomendo o mercado de afiliado só pra começar. Tem um podcast que vou a fundo nessa questão. 

 

Eu prefiro que você vai fundo na ideia de criar o próprio produto ou associar a alguém e ter um sócio. 

 

Mas você pode ir pro mercado de afiliado pra conhecer o mercado, sentir o seu nicho sem se arriscar por completo no início. 

 

Por exemplo, você quer aprender a vender. Ou você quer ir pra um nicho específico. Você tem interesse em ser um especialista na área de mercado financeiro. Aí você se afilia a um produto do mercado financeiro e começa a vender ele pra sentir o mercado, ver se é isso mesmo que você quer e tudo mais. 

 

Pra construir um negócio de fato em cima disso, não. 

 

No final, ou você ganha dinheiro ou você aprende. 

 

Vou deixar aqui de recomendação uma live que fiz sobre alinhar trabalho e paixão. Toda quinta tem live, às 17h, no youtube. Clique aqui para assistir a gravação

 

E aí, vai começar a colocar parte do dinheiro dessas 43 milhões de pessoas no seu bolso quando? 

 

Se quiser começar, vai ser muito bem vindo na comunidade do Business Hacker. Então Clica aqui para conhecer e se tornar um membro! 

 

PUBLICIDADE